Anonymous: Amando muito ??

Não mesmo, to só me amando

Se nunca ficássemos doentes, não saberíamos o que significa a saúde. Se nunca tivéssemos fome, não experimentaríamos a agradável sensação de saciá-la depois de uma refeição. Se nunca houvesse guerras, não saberíamos o valor da paz, e se nunca houvesse inverno, não poderíamos assistir a chegada da primavera. Tanto o bem quanto o mal são necessários ao todo."
O Mundo de Sofia. 
Eu poderia ser a pessoa mais agradável do mundo, mas optei por ser eu mesmo."
Renato Russo 
Eu fiquei só e ninguém viu."
Nx Zero

Eu sou assim. Eu guardo pra mim e não digo nada. Eu ponho um sorriso no rosto e finjo que não doí, que eu não ligo e que não me atinge. Já perdi as contas de quantas vezes impedi uma lagrima de rolar pelo meu rosto. Mais pode ter certeza que quando eu desabar vai ser feio. Quando eu me permitir chorar vai ser o choro mais triste do mundo.

"
Desconhecido. 
O sofrimento amoroso é o único que não é bom. Fracassar em algo na vida te mostra que você pode mudar o rumo, superar o fracasso e seguir em frente. Sofrer no amor é a única coisa que te faz patinar na lama até o pescoço. Você sofre não pelo que sentes, mas pela incapacidade do outro em ter a constância num sentimento, como você tens. O sofrer no amor é cruel porque precisamos da outra pessoa. A vida é algo que você tem, mas pra ela existir de fato, precisas compartilhá-lha. Porque ninguém vive sozinho, ninguém consegue. Sofrer por alguém não é prazeroso. Sempre foi uma tortura sofrer por amor, e só. E nunca é nada, porque de alguma forma esse sentir te leva a algum lugar."
Nattan Duran 
O homem que faz a mulher chorar é porque não sabe fazer ela gemer, e a mulher que não faz o homem gozar é porque não sabe fuder ♫
Tô começando a gostar de um menino novo, te contei? É Nicholas, essa eu realmente não tinha te contado ainda. Tá surpreso com a notícia? É Nicholas, ele é legal, não se preocupe. O que você não fez em 2 anos, ele estar conseguindo fazer em um mês. Dá para acreditar? Nicholas! você consegue ver um alguém ocupando o teu lugar? Te pergunto de coração. Eu me fazia essa pergunta todos os dias antes de dormir: “Como eu vou conseguir substituir ele? ” Hoje eu me faço outra pergunta: Como eu pude me enganar por tanto tempo com uma pessoa igual à você?. É Nicholas, eu mudei , quase não deu pra reparar não é mesmo? Pois é, eu cresci, estou mais madura, não estou mais tão fácil de me enganar assim. É Nicholas, eu não tenho mais medo de dar a cara pra bater, eu não me escondo mais. Hoje eu estou renovada. Amigos novos, lugares novos, músicas novas. Ah é Nicholas, se lembra das nossas músicas? Pois é, hoje escuto elas, e elas me fazem rir. Como eu pude ter sido tão inocente, tão frágil, tão cega quando o assunto era você? Todos me avisaram, todos me alertaram, e eu, cega, achando que o meu destino estava cruzado com o teu, nada era capaz de atrapalhar um destino nosso feito somente por mim. Que droga de destino! Não existe destino, principalmente o nosso. Eu faço as minhas escolhas, e a minha pior escolha que eu podia ter feito algum dia, foi ter escolhido você."
Meus lamentos sobre Nicholas.
Vagarosamente se sentou no chão com as mãos no rosto. O desespero o assombrava naquela madrugada. Parou por um minuto, olhou pro nada, naquele escuro penetrante, e via flash’s repentinos com momentos da tua história. Por alguns minutos ele ficou ali sentado desesperadamente tentando entender o que lhe havia acontecido. Difícil foi encontrar alguém, ou o que, ou um motivo que o fizesse sair daquele pesadelo. Como ele dizia: “Haverá dias frios. Dias mais longos que outros, uns até parecerão intermináveis”. E se ele tentasse se olhar no espelho, refletia todos os seus erros e fracassos. Todas suas dores e derrotas.
- Amar é perigoso. Disse ele pra calada da noite.
A morte não é nada perigosa. Ela não virá mais de uma vez, não importa então se eu morrer. Não terei outra chance, é essa e pronto.
Lá estava ele, agonizando sua deixa.
As escolhas foram tuas, e os caminhos, pois bem, foste tu quem decidiu escolher…
E algo lhe abraçou, ele se sentiu tocado mesmo não sendo tocado. Sentiu um aperto bem forte, onde não existia nada pra lhe apertar, á não ser o grande abraço daquela silenciosa madrugada.
O último que terminar de ler apague a luz, pois minha alma pede perdão."
Madrugada, Daniel Felipe. 
Sou forte. Meio doce e meio ácida. Em alguns dias acho que sou fraca. E boba. Preciso de um lugar onde enfiar a cara pra esconder as lágrimas. Aí penso que não sou tão forte assim e começo a olhar pra mim. Sou forte sim, mas também choro. Sou gente. Sou humana. Sou manhosa. Sou assim. Quero que as coisas aconteçam já, logo, de uma vez. Quero que meus erros não me impeçam de continuar olhando para a frente. E quero continuar errando, pois jamais serei perfeita (ainda bem!). Tampouco quero ser comum e normal. Quero ser simplesmente eu. Quero rir, sorrir e chorar. Sentir friozinho na barriga, nó no peito, tremedeira nas pernas. Sentir que as coisas funcionam e que tenho que trocar de jeito quando insisto em algo que não dá resultado. Quero aprender e, ainda assim, continuar criança. Ficar no sol e sentir o vento gelado no nariz. Quero sentir cheiro de grama cortada e café passado. Cheiro de chuva, de flor, cheiro de vida. Aprecio as coisas simples e quero continuar descomplicando o que parece complicado. Se der pra resolver, vamos lá! Se não dá, deixa pra lá. A vida não é complicada e nem difícil, tudo depende de como a gente encara e se impõe. Quero ser eu, com minha cara azeda e absurdamente açucarada. Não quero saber tudo e nem ser racional. Quero continuar mantendo o meu cérebro no lugar onde ele se encontra: meu coração. E essa é a melhor parte de mim."
Clarissa Corrêa. 
Talvez espante ao leitor a franqueza com que lhe exponho e realço a minha mediocridade; advirta que a franqueza é a primeira virtude de um defunto. Na vida, o olhar da opinião, o contraste dos interesses, a luta das cobiças obrigam a gente a calar os trapos velhos, a disfarçar os rasgões e os remendos, a não estender ao mundo as revelações que faz à consciência; e o melhor da obrigação é quando, à força de embaçar os outros, embaça-se um homem a si mesmo, porque em tal caso poupa-se o vexame, que é uma sensação penosa, e a hipocrisia, que é um vício hediondo. Mas, na morte, que diferença! Que desabafo! Que liberdade! Como a gente pode sacudir fora a capa, deitar ao fosso as lantejoulas, despregar-se, despintar-se, desafeitar-se, confessar lisamente o que foi e o que deixou de ser! Porque, em suma, já não há vizinhos, nem amigos, nem inimigos, nem conhecidos, nem estranhos; não há platéia."
ASSIS, Machado de. “Memórias Póstumas de Brás Cubas”.